Sabat  

Fernando Pessoa, autor da Mensagem

 

Contexto político da publicação da Mensagem

Assunto da Mensagem

A génese da Mensagem

O ocultismo na Mensagem

Estrutura tripartida da Mensagem

Visão subjetiva/mítica da História de Portugal

O mito sebastianista

Fernando Pessoa e o Quinto Império

O discurso na Mensagem – noção de POESIA ÉPICO-LÍRICA

Intertextualidade entre Os Lusíadas e a Mensagem

Plano pessoal dos poetas. Retratos humanos: avisos, reflexões, estados de alma

Comparação do conceito de heroísmo n’Os Lusíadas e na Mensagem

 

 

 

Contexto político da publicação da Mensagem 

Salazar (1889-1970), chamado ao Poder, na qualidade de ministro das Finanças, em 1928, tornar-se-ia presidente do Conselho em 1932. Aprovados a Constituição e o Estatuto do Trabalho, em 1933, iniciava-se o Estado Novo.

O preço a pagar pela ordem e pelo rigor administrativo foi elevado em termos de repressão e de restrição das liberdades fundamentais. 

Para Robert Bréchon (1996:537) «Pessoa não é nem um salazarista fervoroso nem um anti-salazarista convicto. A sua adesão ao Estado Novo é racional e provisória», o que traduz bem a dificuldade que é situá-lo ideologicamente no contexto político em que viveu. 

Na Mensagem onde o nacionalismo utópico de Pessoa é abertura ao mundo, o nacionalismo salazarista é fechamento sobre si próprio; onde a mitologia pessoana é sonho e programa de acção, a do Estado Novo é saudosismo fadista; onde na Mensagem o império material se desmorona na sua própria impossibilidade histórica, o império colonial salazarista é, contra a História e o devir, a sua última possibilidade de grandeza. 

(Adaptado de «Contexto político da sua publicação» in Dicionário da Mensagem, Artur Veríssimo, Porto, Areal Editores, 2000, pp. 84-85.)

 

Há quem veja na última estrofe do poema «Liberdade» uma alusão crítica a Salazar, que foi ministro das finanças e, supostamente, lia muito.

Todavia, o facto de ser muito religioso e de ler assiduamente não o fez entender o sentido e o dever de não coarctar a liberdade.

 

LIBERDADE 

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não o fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
O sol doira
Sem literatura.

O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como tem tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quando há bruma,
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

O mais do que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca.
 

                                                    1935

 

Assunto da Mensagem 

A Mensagem, publicada em 1934, é uma coletânea que reúne poemas de caráter nacionalista alimentados pelo mito sebastianista numa perspetiva épico-lírica.

O assunto da Mensagem não são os portugueses e os seus feitos gloriosos ou os acontecimentos históricos mais significativos, mas a essência de Portugal e a sua missão a cumprir.

 

A génese da Mensagem 

A elaboração da Mensagem ocupou quase toda a vida literária de Fernando Pessoa: de 1913 a 1934. A génese e composição de Mensagem enquadra-se bem na leitura que Fernando Pessoa de si mesmo faz quando escreve: «Não evoluo, viajo». 

Fernando Pessoa é atraído pela doutrina de Teixeira de Pascoaes quando este afirmava, na revista A Águia, em 1912, que a alma da raça é a Saudade e sublinhava o seu propósito: implantar «a alma portuguesa na terra portuguesa para que Portugal exista como Pátria, porque uma pátria é de natureza puramente espiritual e as únicas forças invencíveis são as forças do espírito.» 

Deste modo, também Fernando Pessoa, em 1912, escreve na revista A Águia, os célebres artigos em que profetiza para breve o aparecimento de um Super-Camões e de um Super-Portugal, um império que se encontra para além do material. 

Tais profecias acompanhavam a ligação de Pessoa à Renascença Portuguesa e ao saudosismo – que procuravam fazer renascer Portugal, com base no retomar do mito ou dos mitos – nomeadamente o da Saudade, vista como «sangue espiritual da Raça».

 

O ocultismo na Mensagem 

A Mensagem é uma obra simbólica, de natureza ocultista/esotérica, situada na linha daquilo que o próprio Pessoa considerava de «nacionalismo místico». Procura reapresentar ao homem contemporâneo mitos e profecias que, universais na finalidade, tomaram contudo entre nós feições inéditas, enraizando-se profundamente na psique portuguesa.

Para entender a linguagem simbólica, diz-nos Pessoa que são necessárias ao intérprete cinco qualidades ou condições:

Esotérico, esoterismo: doutrina que só deve ser comunicada a «iniciados», ligando-se a sua transmissão muitas vezes a práticas rituais de um culto e a comunicação de doutrinas de índole profética ou divinatória. Por vezes, sinónimo de ocultismo.

1.            Simpatia – capacidade para entrar em sintonia com o símbolo;

2.            Intuição – «aquela espécie de entendimento com que se sente o que está além do símbolo sem que se veja»;

3.            Inteligência – que «analisa, decompõe, re-constrói noutro nível o símbolo», permitindo «relacionar no alto o que está de acordo com a relação que está em baixo»;

4.            Compreensão, entendendo por esta palavra «o conhecimento de outras matérias que permitam que o símbolo seja iluminado por vários outros símbolos – pois que, no fundo, tudo é o mesmo»;

5.            Por último, aquela que é menos definível, e poderá chamar-se «graça», «Superior Incógnito», «Conhecimento e Conversação do Santo Anjo da Guarda», inspiração ou iluminação. 

«Uma das linhas do complexo pensamento pessoano foi, desde muito cedo, o patriotismo. Pessoa assume-se também como poeta de missão, instância receptiva de um destino, [] integrado num devir histórico inscrito nos desígnios divinos e por eles conduzido. Assim, o patriotismo é entendido como messiânico e sebástico. [] A grandeza de Portugal, a passada sob a forma de História e a futura sob a forma de profecia, é um desígnio transcendente que Pessoa anuncia nos poemas da Mensagem: a relação passado/presente/futuro impulsiona utopicamente a regeneração da Pátria, num movimento alimentado pelo mito.[] Sem esta dimensão mítica tudo não passaria de mera poetização de informação histórica, carente da força enformadora de uma nova era. Pessoa é o poeta iniciático que cumpre a missão de revelar o Portugal Encoberto.» Mensagem – poema irradiante: messianismo nacionalista / espiritualidade universalista» in Para uma leitura de MENSAGEM de Fernando Pessoa, Mª Almira Soares, Lisboa, Editorial Presença, 2000, pp. 22-27). 

O título é, só por si, uma porta que contém todo o poema e que é preciso saber abrir. A palavra portuguesa Mensagem é, como diz, J. Augusto Seabra (in Fernando Pessoa ou o Poetodrama) «derivada anagramaticamente» da fórmula de Anquises, quando explica a Eneias, descido aos infernos, o sistema do Universo: MENS AG[ITAT MOL]EM: o espírito move a massa. É uma maneira de o poeta afirmar logo à partida o seu idealismo absoluto.

«Fernando Pessoa aproveitou toda a simbologia da descida aos infernos para justificar o advento de uma nova Pátria. O título não podia ser mais feliz.

No Livro Sexto de A Eneida, verso 727, de Virgílio, Anquises explica ao seu filho Eneias, que desceu aos infernos, o sistema do Universo. Pessoa, qual outro Anquises, explica aos seus filhos espirituais – os portugueses – o sentido da sua Pátria. Descida aos infernos da decadência, ela renascerá, como a Fénix, das cinzas e alcançará a etapa final da Perfeição.» (in Aula Viva Português 12º Ano, João Guerra e José Vieira, Porto Ed., 1999).

 

 

O caráter esotérico recebe confirmação com a epígrafe inicial do livro: «Benedictus Dominus Deus noster qui dedit nobis signum» (Bendito Deus, Nosso Senhor, que nos deu o Sinal) e com o «Valete Frates» final (Adeus, irmãos!), apontando para a ideia de «sinal», de «bandeira», «pendão» entregue por Deus – símbolo também de fraternidade em organizações de tipo esotérico. 

"Estamos, na verdade, perante um livro que obedece, na sua arquitectura interna, a uma estrutura esotérica". Ele divide-se em três partes: Brasão, Mar Português e Encoberto.

Este esqueleto ternário corresponde, sem dúvida, para Pessoa, a uma intencionalidade oculta. O mesmo número aparece com efeito retomado nas suas subdivisões: assim, a terceira parte do livro é dividida, por sua vez, em três partes (Os Símbolos, Os Avisos, Os Tempos); e a terceira dentre elas, a mais explicitamente profética, é introduzida por um poema dividido ele mesmo em três onde o poeta alude a três navegantes misteriosos, de que o terceiro, não identificado, aguarda ordem de partir... Não se trata, pois, de um simples acaso ou de uma mera preocupação de equilíbrio: o número 3 é reconhecido como central no esoterismo. "Da mesma forma no que respeita aos números 5, 7 e 12, que dominam as restantes subdivisões do livro" (J. Augusto Seabra, op. cit.). 

«Dentro do esoterismo numerológico da Mensagem o número cinco tem um lugar impressiva e expressivamente significativo pelos conteúdos que o ocupam e pela reiteração de que é objecto: cinco grupos de poemas a compor a primeira parte; cinco quinas, sendo a quina o símbolo recorrente, tanto na consolidação da Pátria (Milagre de Ourique), como na sua expansão (o padrão que anuncia a projecção para o infinito); quinta quina ocupada pela figura messiânica por excelência – D. Sebastião; cinco símbolos, sendo o quinto o Encoberto (D. Sebastião); cinco tempos.»  

«A construção do poema ajusta-se ao estatismo heráldico como interpretação poética do passado (1ª parte) e ao dinamismo da sucessão dos tempos e da projecção profética (2ª e 3ª partes). Entre a primeira parte (Brasão), a segunda (Mar Português) e a terceira (O Encoberto) estabelece-se uma relação transformadora do decurso histórico em percurso iniciático.» (Mª Almira Soares, op. cit.)

 

Estrutura tripartida da Mensagem 

Mensagem é um livro estruturalmente muito cuidado, apontando as três fases por que a Pátria terá de passar.

Esta tripartição simbólica «tem como base o facto de as profecias se realizarem três vezes, ainda que de modo diferente e tempos diferentes. Corresponde à evolução do Império Português que, tal como o ciclo da vida, passa pelo nascimento, realização e morte. Todavia, esta morte não poderá ser entendida como um fim definitivo, visto que a morte pressupõe uma ressurreição. Esta ressurreição culmina com o aparecimento de um novo império, desta vez não terreno, mas sim espiritual e cultural, a fim de atingir a paz universal ("E a nossa grande Raça partirá em busca de uma Índia nova, que não existe no espaço, em naus que são construídas daquilo que os sonhos são feitos" – Fernando Pessoa).» (in Dossier Exame | Português B | 12º Ano, Mª José Peixoto e Célia Fonseca, Lx, Asa, 2001, p. 51) 

Primeira Parte – Brasão (os construtores do Império)

A 1ª parte corresponde ao nascimento, com referência aos mitos e figuras históricas até D. Sebastião, identificadas nos elementos dos brasões. Dá-nos conta do Portugal erguido pelo esforço dos heróis e destinado a grandes feitos. 

I – Os campos – símbolo do espaço da vida e da consolidação do reino.

II – Os castelos – símbolo de protecção (baluartes de defesa e residência dos reis). Significa, também, as conquistas dos heróis.

III – As quinas – similitude às chagas de Cristo: dimensão espiritual. Lutadores e mártires são D. Duarte, D. Pedro, D. João e D. Sebastião.

IV – A coroa – símbolo de realeza.

V – O timbre – marca pessoal, sinal; símbolo de poder legítimo. Sagração do herói para missão transcendente.

 

 

 

 

 

 

HERÓIS DO «BRASÃO»

Infante D. Henrique
(o mentor dos Descobrimentos;
o criador de civilização)

          D. João O Segundo                                                             Afonso de Alburquerque

Nun´Álvares Pereira

«Heróis sagrados em honra e em desgraça»:

D. Duarte (rei)
D. Fernando (infante)
D. Pedro (regente)
D. João (infante)
D. Sebastião (rei)

Simbologia do Grifo (ave fabulosa com bico e asas de águia e corpo de leão): reunião do conhecido com o desconhecido, do Ocidente com o Oriente e, em termos ocultistas, o domínio do espírito sobre a matéria (repare que não se atribui nenhuma figura histórica ao corpo do leão).

 

 

Os sete castelos da alma coletiva (procura e vigília):

Ulisses, Viriato; Conde Dom Henrique, D. Tareja; D. Afonso Henriques, D. João O Primeiro, D. Filipa de Lencastre.

(Os sete degraus para a perfeição, as sete lâmpadas através das quais a vontade divina clarifica a sua vontade e a faz prevalecer.)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para Carlos Castro da Silva Carvalho, importa verificar que a Mensagem prima pela «contraposição de um brasão novo, um brasão reconstruído, a um velho brasão nacional».

Entre as alterações assinaladas por este crítico figuram:

- a do timbre das armas nacionais (a serpe alada dá lugar ao grifo);

- a da simbologia das quinas, que deixa de estar ligada ao Milagre de Ourique;

- a ausência dos vinte e cinco besantes, tradicionalmente símbolo dos trinta dinheiros que Judas recebeu pela venda de Jesus.

Conclui Silva Carvalho que a força simbólica do milagre de Ourique é, na Mensagem, substituída pela do mito, desde logo do mito da criação que Ulisses e os outros castelos representam. 

Se os castelos são a energia criativa do mito, o «sempre por achar»; as quinas são as chagas abertas do Ser, o preço a pagar pela glória; a coroa é o arquétipo a imitar, a vontade que se faz luz, a possibilidade de redenção; o grifo é a reunião do conhecido e do desconhecido, «da vontade e do poder». No seu todo, o Brasão é o frontispício do Ser futuro. 

O Brasão na Mensagem tem, em suma, de ser entendido como o lugar da memória colectiva onde as qualidades do ser português se fixam, como símbolo de procura, como possibilidade criadora, como potência do Portugal a haver. Mais do que a imagem do passado, o Brasão é o futuro que esse passado deixa adivinhar. (cf. «Brasão» in Dicionário da Mensagem, Artur Veríssimo, Areal Ed., 2000).

 

 

Segunda Parte – Mar Português (o sonho marítimo e a obra das descobertas)

Na 2ª parte surge a realização e vida; refere personalidades e acontecimentos dos Descobrimentos que exigiram uma luta contra o desconhecido e os elementos naturais. Mas porque «tudo vale a pena», a missão foi cumprida. 

O ciclo que se cumpriu

Poemas

Signos

Linhas de força

«O Infante»

Carneiro

Impulsão criadora

«Horizonte»

Touro

Terra e esforço na busca do concreto

«Padrão»

Gémeos

Polaridade: dis­tinção matéria/ /espírito

«O Mostrengo»

Caranguejo

Luta contra os medos incons­cientes e a descoberta da luz

«Epitáfio de Bartolomeu Dias»

Leão

Gosto de agir, objectivo de longo alcance

«Os Colombos»

Virgem

Diferenciação; determinação dos limites

«Ocidente»

Balança

Harmonização de contrários

«Fernão de Magalhães»

Escorpião

Fermentação, desagregação; criação, morte e renascimento

«Ascensão de Vasco da Gama»

Sagitário

Dualidade dos instintos; elevação do homem a Deus

«Mar Português»

Capricórnio

Elevação e morte física do mundo; iniciação

«A Última Nau»

Aquário

Passagem aos estados superiores; emancipação e aventura

«Prece»

Peixes

Comunicação com Deus; inconsciente colectivo e indiferenciação.

 

 

Número Doze

Na Segunda parte da obra, é o número doze que domina. Da riqueza simbólica do Doze pode o leitor fazer múltiplas interpretações, já que o número nos faz pensar nos doze apóstolos de Cristo, nos doze cavaleiros da Távola Redonda, nas doze tribos de Israel, nas doze portas da Jerusalém Celeste, nos doze frutos da árvore da vida, nos doze fundamentos da Cidade do futuro, nos doze meses do ano, para apenas nos referirmos a algumas das suas possibilidades simbólicas.

Todavia, qualquer que seja a opção que tomemos, o Doze é como afirma António A. Lourenço (1990, 127), «a marca simbólica do ciclo completo do cumprimento» e «o símbolo da repetição essencial, do eterno retorno». Uma evidência que a obra deixa explícita logo no primeiro poema da 2ª parte («Cumpriu-se o mar»), tornada exemplo e promessa de futuro pelo eu da Mensagem na sua prece, como estes versos (M, 73), significativamente os últimos de «Mar Português», fazendo eco do «falta cumprir-se Portugal», amplamente ilustram:

E outra vez conquistemos a Distância ‑ Do mar ou outra, mas que seja nossa!

(in Dicionário da Mensagem, Artur Veríssimo, Areal Ed., 2000)

 

Terceira Parte –  O Encoberto (a imagem do Império moribundo, a fé de que a morte contenha em si o gérmen da ressurreição, capaz de provocar o nascimento do império espiritual, moral e civilizacional na diáspora lusíada. A esperança do Quinto Império)

Na 3ª parte aparece a desintegração, havendo, por isso, um presente de sofrimento e de mágoa, pois «falta cumprir-se Portugal». É preciso acontecer a regeneração que será anunciada por símbolos e avisos. 

(Adaptado de Acesso ao Ensino Superior. Português 12º Ano – A e B Vasco Moreira e Hilário Pimenta, Porto Ed., 2000, p. 118.)

 

 

Visão subjetiva/mítica da História de Portugal 

Na opinião do poeta, havia-se perdido a identidade pessoal, os feitos heróicos perderam-se com o tempo e só já restava a memória. Então, nada melhor que recuperar um mito para fazer ressurgir das cinzas uma nação ("O mito é o nada que é tudo", em "Ulisses"). 

É irrelevante, parece dizer Pessoa desde o poema «Ulisses», que as figuras de que vai ocupar-se, os heróis fundadores, tenham tido ou não existência histórica - o que importa é que todos eles tenham funcionado com a força do mito, que, não existindo, é tudo. Por isso, todos os heróis que se seguem são heróis mitificados, ainda que com existência histórica, feita de sucessos ou fracassos, não importa. 

Fernando Pessoa pretendeu essencialmente enobrecer a maneira grandiosa que está subjacente à realização dos acontecimentos que engrandeceram a História nacional. 

A força enformadora de uma nova era resulta do idealismo platónico que impregna a visão do acontecer histórico (não é tanto o Império terreno que ele canta, mas sim a ideia condutora, o que não existe no mundo sensível, a quimera, o mito, a fome do impossível, a loucura). 

Em Mensagem surgem diversos mitos, nomeadamente o do Sebastianismo e o do Quinto Império. É possível também perceber outros mitos como o do Santo Graal (“Galaaz com pátria” era o Desejado, capaz de permitir o retorno do Graal, o símbolo da união e harmonia entre os povos), o das Ilhas Afortunadas (de “terras sem ter lugar”, como o Quinto Império), e o do Encoberto (dentro da mística rosacruciana em cujos princípios se deveria basear o Quinto Império). A concepção mítica leva, também, Pessoa a usar figuras como Ulisses e o Mostrengo, que o ajudam a explicar o passado dos Portugueses e a fazer a apologia da sua missão profética.

 

O mito sebastianista 

Fernando Pessoa acreditava no destino messiânico de Portugal e acreditava também que o saudosismo que preenchia os corações dos portugueses poderia ser o ponto de partida, a motivação para a tentativa de recuperação de uma imagem que morrera com o passado. 

O sebastianismo é abordado por Fernando Pessoa como mito, que exprime o drama de um país moribundo “à beira mágoa” a necessitar de acreditar de novo nas suas capacidades e nos valores que antigamente lhe permitiram a conquista dos mares e a sua afirmação no mundo. Diz Fernando Pessoa (in Obra Poética e em Prosa, vol. III), “Como o último verdadeiro Rei de Portugal foi aquele D. Sebastião que caiu em Alcácer Quibir, e presumivelmente ali morreu, é no símbolo do regresso d’El-Rei D. Sebastião que os portugueses da saudade Imperial projectaram a sua fé de que a família se não extinguisse”. 

Ao longo da Mensagem, a figura de D. Sebastião evolui do símbolo de um príncipe infeliz, desaparecido em Alcácer Quibir, no areal (primeira parte), para o mito que vai na “última nau, ao sol aziago” mas que surgirá entre a cerração” com o “pendão ainda / Do Império” (segunda parte), para, guardado com Deus, regressar para criar o Quinto Império. É apresentado, também, como, O Encoberto ou O Desejado, que volta com o santo Graal (terceira parte). 

A hipótese de salvação e regeneração que D. Sebastião representa para o povo português é a base desta obra, pois é a partir do mito que se deve tentar transformar a realidade. 

 

 

Fernando Pessoa e o Quinto Império 

Analisando os quatro impérios universais já havidos, conforme a interpretação do profeta Daniel ao sonho de Nabucodonosor: Babilónia, Medo-Persa, Grécia e Roma, Fernando Pessoa é levado a concluir que o quinto teria que ser a Inglaterra, se de «impérios materiais se tratasse»: «Nesse esquema, porém, que é de Impérios materiais — escreve em 1934 —, o último é plausivelmente entendido como sendo o Império de Inglaterra. Desse modo se interpreta naquele País; e creio que, nesse nível, se interpreta bem. Não é assim no esquema português. Esta, sendo espiritual, em vez de partir, como naquela tradição, do Império material da Babilónia, parte, antes, com a civilização em que vivemos, do império espiritual da Grécia, origem do que espiritualmente somos. E, sendo esse o Primeiro Império, o Segundo é o de Roma, o Terceiro, o da Cristandade, e o Quarto o da Europa – isto é, da Europa laica de depois da Renascença. Aqui o Quinto Império terá que ser outro que o inglês, porque terá que ser de outra ordem. Nós o atribuímos a Portugal, para quem o esperamos.» (Fernando Pessoa, Obra Poética e em Prosa, vol. III, pp. 711-712.) 

O que Pessoa realmente quis para Portugal, o único perfil coerente, e viável, do seu nebuloso Quinto Império, cifra-se em desejar que a sua decadente pátria seja portuguesa com a mesma naturalidade com que a Inglaterra é Inglaterra. O poeta obcecado pela Diferença não quer que Portugal seja uma outra Inglaterra — de via reduzida — quer apenas que seja Portugal. E para isso é necessário reduzir a nossa cultura a uma tábua rasa. mais vasta e com sentido diverso da imaginada pela Geração de 70, denunciadora da decadência nacional, mas também instrumento dela, segundo Pessoa, pela errada cura (francesa) proposta para os males nacionais. Dissolvidos na pseudo-universalidade dos outros — ou da França, sobretudo — teríamos perdido a lembrança da nossa própria, anterior e mais autêntica universalidade. É na recuperação dela que o Quinto Império se anuncia e já, de certo modo, se constrói. (Eduardo Lourenço, «Apoteose ou Segunda Morte de Fernando Pessoa?», Expresso, 13/7/1985.) 

Mas o que é o Quinto Império? Visto de dentro da obra é o da «Vitória universal do espírito e da eterna aspiração, é a mística certeza do vir a ser pela lição do ter sido. É Portugal-espírito, Portugal-ente de cultura, esperança tanto mais forte quanto a hora de decadência a estimula; nevoeiro que não é mais que condição negativa necessária para surgir o Salvador» (António Machado Pires, «Os Lusíadas de Camões e a Mensagem de Fernando Pessoa», in Actas da III Reunião Internacional de Camonistas, Coimbra, Universidade de Coimbra, 1987, 99. 419-429). Universal, porquê? Porque sonha, como António Vieira, e parafraseando Torga, o «homem lusitano à medida do mundo». 

Visto de fora da obra, poder-se-á perguntar, como Maria Irene Ramalho de Sousa Santos, («Um imperialismo de Poetas. Fernando Pessoa e o imaginário do Império», in Penélope. Fazer e Desfazer a História, n.° 15, Lisboa, 1995, pp. 53-74), um imperialismo de poetas? Ou como pretendem outros, fazendo fé na célebre afirmação de Pessoa/Bernardo Soares («Minha Pátria é a Língua Portuguesa») ou na referência ao «imperador da língua portuguesa», que é António Vieira, um imperialismo da Língua Portuguesa? Deixemos a resposta a essas questões a Fernando Pessoa (Fernando Pessoa, Sobre Portugal. Introdução ao Problema Nacional, Lisboa, Ática, 1979, p. 240): «Um imperialismo de gramáticos? O imperialismo dos gramáticos dura mais e vai mais fundo que o dos generais. É um imperialismo de poetas? Seja. A frase não é ridícula senão para quem defende o antigo imperialismo ridículo. O imperialismo de poetas dura e domina; o dos políticos passa e esquece, se o não lembrar o poeta que os cante.» 

Dizer-se que um «imperialismo de gramáticos» dura mais que o dos generais ou que um «imperialismo de poetas» não é perecível como um «imperialismo de políticos» significa dizer-se que o Quinto Império se reduz a essas possibilidades? Estamos em crer que não. O conjuntivo «seja» com que Pessoa responde à 2ª questão equivalente a «admitamos que assim seja», próprio do discurso argumentativo, não é necessariamente uma afirmação categórica. 

Certo é que o Quinto Império é português e sonhado em português e não se realizará sem o contributo da poesia e dos poetas, facto desde logo aferido pela existência da Mensagem. Mas a marca mais visível da universalidade desse Império está no ser-se português sem barreiras, o que, em nosso entender, transcende o problema da língua e o da criação poética. 

Realizar Apolo espiritualmente como noutro lugar afirmou Pessoa, não permite a leitura redutora de que o Quinto Império seja, exclusivamente, um imperialismo de poetas, a menos que se entenda a criação poética como metáfora de todo o acto criador. Apolo é a divindade tutelar de todas as artes, o símbolo do Sol e da luz civilizadora, o que nos devolve ao Portugal-espírito, Portugal-ente de cultura e ao olhar esfíngico desse rosto da Europa, que é Portugal fitando o Ocidente. A lógica do porvir, que é também a do Quinto Império na Mensagem, participa desse mistério nunca totalmente revelado. 

Dir-se-ia que o programa do Quinto Império explicita as condições do seu aparecimento, a sua natureza, os objectivos que persegue e até o seu mentor, mas não os conteúdos que o enformam. Mais do que um programa concreto, é uma representação mental, uma atitude perante a Nação e a nossa própria existência ou, se quisermos, a procura do nosso ser-no-mundo, como indivíduos e como Povo. (Artur Veríssimo, Dicionário da Mensagem, Porto, Areal Ed., 2000, pp. 67-69.)

 

O discurso na Mensagem – noção de POESIA ÉPICO-LÍRICA 

Designação atribuída à Mensagem, pelo facto de F. Pessoa exprimir uma concepção trans-histórica e mítica sobre a as diversas figuras que decorrem na obra, prefigurando o surgimento da pátria cultural portuguesa que constituiria o Quinto Império.

Na obra Mensagem a voz narrativa da épica tradicional dá, constantemente, lugar a voz lírica, num discurso analítico-crítico, que reflecte sobre o passado heróico de conquistas, vibrando com o espírito do povo português, e expressa a visão e as emoções do “Eu” face ao acontecer histórico, muitas vezes num tom profético. Os poemas, em geral breves, apresentam uma linguagem metafórica e musical, bastante sugestiva, com frases curtas, apelativas e, frequentemente, aforísticas, onde abundam a pontuação expressiva e as perguntas retóricas.

Há, pois, uma interiorização e mentalização da matéria épica, numa atitude contemplativa.

 

 

 

 

 

Intertextualidade entre OS LUSÍADAS e a MENSAGEM 

Os Lusíadas e Mensagem, dois poemas épicos separados no tempo, desenvolvem dois temas estruturantes: o mar e o valor da poesia.

Com efeito, quer no poema camoniano, quer no de Pessoa, o mar é o espaço da construção do herói português: o herói real, ligado à descoberta de novos mares e novas terras (Os Lusíadas); o herói que conquistará uma nova “Distância” e enformará o Portugal do futuro (Mensagem).

Assim, a epopeia quinhentista canta uma história factual, real, enquanto Pessoa desenha os contornos de um Portugal a haver, um Portugal a construir pelo poder do sonho e da poesia.

Contudo, não é apenas em Pessoa que heróis e impérios se erguem pela palavra poética, também Camões, de um modo diferente, o consegue. Efectivamente, quando o Poeta refere a D. Sebastião que só o registo dos nossos feitos heróicos nos tornará grandiosos e eternos, está também a atribuir à poesia uma dimensão superior.

Camões e Pessoa conciliam, assim, a condição de “trovador” e “argonauta”, apresentando cada um, distintamente, um Portugal presente — marcado nos dois poemas pela “apagada e vil tristeza” de um “nevoeiro sem brilho” — que se redimirá e se encontrará num futuro inadiável. 

(in Abordagens 12º, Zaida Braga e outros, Porto Ed., 2005, p. 219)

 

Os Lusíadas

Mensagem

ü  Homens reais com dimensões heróicas mas verosímeis;

 

ü  Heróis de carne e osso, bravos mas nunca infaliveís;

ü  Heróis mitificados, desincarnados, carregando dimensões simbólicas

 

v  Brasão ® Terra ® Nun’Álvares Pereira

v  Mar Português ® Mar ® Infante D. Henrique

v  O encoberto ® Ar ® D. Sebastião

 

(de uma terra de dimensões conhecidas parte-se à descoberta do mar e constrói-se um império. Depois o império se desfez e o sonhos e o Encoberto são a raiz a esperança de um Quinto Império)

ü  Herói colectivo: o povo português

ü  Virtudes e manhas

ü  Heróis individuais exemplares (símbolos)

 

ü  D. Sebastião (rei menino) a quem Os Lusíadas são dedicados;

“tenro e novo ramo”

 

ü  D. Sebastião mito “loucura sadia”

Sonho, ambição

(repare-se que D. Sebastião é a última figura da história a ser mencionada, como se se quisesse dizer que Portugal mergulhou, depois do seu desaparecimento num longo período de letargia)

ü  Celebração do passado – história

ü  Glorificação do futuro – símbolos

ü  Messianismo a mola real de Portugal

ü  Narrativa comentada da história de Portugal (cf. Jorge Borges de Macedo)
Teoria da história de Portugal

ü  Metafísica do Ser português

ü  Três mitos basilares:

o    Adamastor

o    Velho do restelo

o    A ilha dos amores

ü  Tudo é mito

“o mito é o nada que é tudo”

 

 

ü  acção

ü  contemplação

ü  altiva rejeição do real

ü  império feito e acabado

ü  Portugal indefinido, atemporal

ü   

ü  Saudade profética ® saudades do futuro

ü  Façanhas dos barões assinalados

ü  Matéria dos sonhos

ü  Temporalidade

 

ü  Atemporalidade mística

ü  Síntese pagão e cristão

ü  Síntese total (sincretismo religioso)

ü  D. Sebastião como enviado de Deus para alargar a Cristandade

ü   Portugal como instrumento de Deus

(os heróis cumprem um destino que os ultrapassa)

ü  cabeça da Europa

ü  Rosto da Europa que aguarda expectante o que virá

 

 

Plano pessoal dos poetas. Retratos humanos: avisos, reflexões, estados de alma.
 

Luís de Camões, mais preocupado com a valorização dos seus heróis, apenas no final de cada Canto exprime a sua visão dos factos, descansando a narrativa e, a propósito do passado, presente ou até de futuro, tece considerações atempadas, exteriorizando os seus sentimentos e ideias, à margem, sobre contingências da vida humana, que afectam também os valorosos, ou o contraste entre o que canta e o que vê, entre a idealização e a realidade.

Fernando Pessoa, com uma obra mais interiorizada, tece em cada poema, com apelos e reflexões sentidas, o que lhe vai na alma, perante o espectáculo marginal do seu presente e os tempos áureos do passado.

A par da gesta gloriosa de conquistas e glórias passadas, apresentadas por Luís de Camões e Fernando Pessoa aos seus contemporâneos, surgem, encaixados nos Poemas, pequenos textos que retratam a posição dos poetas face às fraquezas, aos defeitos e azares da vida: momentos de anti-heroísmo, correntes de consciência e tomadas de posição que apontam não para a crítica do Herói, mas contra aqueles que não aspiram ao heroísmo, contra os preguiçosos, os egoístas, e, sobretudo, os que renegam os valores dos seus pais e avós. São também ecos de anti-epopeia, já ouvidos na voz veneranda do Velho do Restelo. Constituem ainda uma reflexão térrea e nitidamente humana, embora com lumes de divino, sobre os obstáculos que enxameiam a existência. No entanto, esta ideia deprimente da fraqueza existencial pode reverter também para a valorização dos que, apesar de tudo, souberam suplantar-se a si mesmos e aos perigos. Os obstáculos foram sérios e constantes, as tentações assediaram as mentes, o desânimo pairou nos horizontes... mas o Herói foi-o porque venceu os seus apetites. 

J. Oliveira Macedo, Sob o Signo do Império, Os Lusíadas – Mensagem, Edições Asa, Lisboa, pp. 165/166

 

 

Comparação do conceito de heroísmo n’Os Lusíadas e na Mensagem
 

        I – Características comuns entre Os Lusíadas e a Mensagem no que diz respeito ao conceito de heroísmo: 

– CAMÕES é exemplo do herói humanista (o que concilia em si as armas e as letras);
–  PESSOA é aquele que se autoproclama de vidente, isto é, uma espécie de profeta do Portugal futuro. 

– em Os Lusíadas: despedidas das naus em Belém; Velho do Restelo...
– na Mensagem: “Quem quer passar além do Bojador / Tem de passar além da dor”...
 

        II – Características diferentes entre Os Lusíadas e a Mensagem no que diz respeito ao conceito de heroísmo: 
 

Os Lusíadas

Mensagem

  • Heroísmo factual, ligado aos actos concretos de conquista e domínio, como por exemplo o elogio à descoberta do caminho marítimo para a Índia por Vasco da Gama.

 

  • Heroísmo de grandeza de alma, cujo herói se distinguirá pelo espírito.

 

  • Herói com limitações próprias da condição humana.
  • Herói mitificado, encarnando valores simbólicos, como por exemplo D. Sebastião – “Por isso onde o areal está / Ficou meu ser que houve, não o que há.”

 

  • A esperança está na glória do passado histórico.
  • A esperança está na projecção futura do sonho, na utopia do Quinto Império.

 

 

Voltar à página principal (índice sobre Fernando Pessoa)

 

José Carreiro, Lusofonia < http://lusofonia.com.sapo.pt/literatura_portuguesa/FP_Mensagem.htm > 2011-12-15

 

lusofonia plataforma de apoio ao estudo da língua portuguesa no mundo

 José Carreiro
 
aguiarcarreiro@gmail.com